Apostasia no Islã

Texto de Ali Sina. Publicado por Khadija Kafir 31-07-2015 Para ler o original, clique aqui.

A apostasia no islã é punível com a morte. Esta sentença é praticada todas as vezes em que os muçulmanos estão no poder e podem praticá-la. No Irã, muito Baha’is foram executados porque eles mudaram de religião. As fátuas contra Salman Rushdie, Talisma Nasrin e Anwar Sheikh são exemplos disso.

Os muçulmanos são treinados para ter devoção fanática. Eles não hesitarão em cometer nenhum crime se for feito em nome de Alá. O Islã é uma religião de relativismo moral. Significa que roubar, mentir, fazer terrorismo e até assassinar são aceitáveis se forem praticados por Alá e sua causa.

Não vos escuseis, porque renegastes, depois de terdes acreditado! E se indultássemos uma parte de vós, puniríamos a outra, porque é pecadora.” (Alcorão 9:66)

“Quanto àqueles que descrerem, após terem acreditado, e continuarem na incredulidade, jamais lhes será aceito o arrependimento e serão os desviados”. (Alcorão 3:90)

“Ó crentes, aqueles dentre vós que renegarem a sua religião, saibam que Alá os suplantará por outras pessoas, às quais amará, as quais O amarão; serão compassivas para com os crentes e severas para com os incrédulos; combaterão pela causa de Alá e não temerão a censura de ninguém”. (Alcorão 5:54)

 “Ó profeta, combate os incrédulos e os hipócritas, e sê implacável para com eles! O inferno será sua morada. Que funesto destino! Juram por Alá nada terem dito (de errado); porém blasfemaram e descreram, depois de terem aceito o islã. Pretenderam o que foram incapazes de fazer, e não encontraram outro argumento, senão o de que Alá e Seu Mensageiro os enriqueceram de Sua graça. Mas se se arrependerem, será melhor para eles; ao contrário, se se recusarem, Alá os castigará dolorosamente neste mundo e no outro, e não terão na terra, amigos nem protetores” (Alcorão 9:73-74)

“Admoesta, pois, porque és somente um admoestador! Não és de maneira alguma guardião deles. E àquele que te for adverso e incrédulo, Alá infligirá o maior castigo.” (Alcorão 88: 22-24)

Parece que os versos acima se contradizem. De um lado a escolha da fé é deixada ao indivíduo e Deus diz a Maomé que não se deve forçar a fé neles; e imediatamente ele faz uma exceção para aqueles que escolhem rejeitar o islã depois de abraçá-lo. Esta é uma prova flagrante da natureza cúltica do Islã.

Os versos seguintes são sobre os mecanos que depois de aceitar o islã não quiseram imigrar a mando de Maomé ou quiseram voltar para Meca, a seus lares e vidas. Maomé ordena a seus seguidores que matassem quem deserdasse o acampamento. Esta foi uma sentença dura contra os muçulmanos que estavam de saco cheio e só queriam voltar para casa.

Anseiam (os hipócritas) que renegueis, como renegaram eles, para que sejais todos iguais. Não tomeis a nenhum deles por confidente, até que tenham migrado pela causa de Alá. Porém, caso se rebelem, capturai-os e matai-os, onde quer que os acheis, e não tomeis a nenhum deles por confidente nem por socorredor” (Alcorão 4:89)

Há também muitos hadiths que confirmam o que está no Alcorão sobre o duro tratamento aos apóstatas. Aqui estão alguns exemplos deles:

Relatou Ikrima: Ali queimou algumas pessoas (hipócritas) e esta notícia alcançou Ibn ‘Abbas, que disse: “Se eu tivesse no lugar dele eu não os teria queimado, como o profeta disse: ‘não puna ninguém com a punição de Alá’. Mas sem dúvida eu teria matado, pois o profeta disse: ‘se algum muçulmano descartar sua religião, mate-o”. (Sahih Bukhari 4.260. Outra maneira de achar essa parte é Volume 9, Livro 84, Número 57)

Relatou Abu Burda: “… O profeta enviou Mu’adh bin Jabal atrás dele e quando Mu’adh o alcançou, deitou uma almofada para ele e pediu que se abaixasse (e sentasse na almofada). Atenção: havia um homem acorrentado ao lado de Abu Muisa. Mu’adh perguntou: “quem é este homem?” Abu Muisa disse: “ele era um judeu e se tornou muçulmano e depois virou judeu de novo”. Então Abu Muisa pediu outra vez que Mu’adh se sentasse, mas ele disse: “não vou me sentar até que ele seja morto. Este é o julgamento de Alá e Seu apóstolo (para tais casos)” E repetiu três vezes. Daí Abu Musa ordenou que ele fosse morto e ele foi morto”. (Sahih Bukhari 9.58) Ver também Sahih Bukhari 9.271)

Obs.: O volume 9 Livro 84 de Sahih Bukhari se chama “Lidando com os apóstatas” onde trata da questão da pena de morte para eles. NT

____________________________

Sobre o autor: Ali Sina é o pseudônimo de um ex-muçulmano nascido no Irã, que atualmente mora no Canadá. É um dos críticos mais respeitáveis da religião islâmica e também um dos mais ferrenhos. Fundador do fórum FAITH FREEDOM INTERNATIONAL (http://www.faithfreedom.org), que ajuda ex-muçulmanos em todo o mundo, Ali Sina é autor de várias obras, entre elas Understanding Muhammad (Para entender Maomé), com tradução prevista para esse ano.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s